fbpx

A Science Based Targets Initiative (SBTi) aprovou as metas de redução das emissões de gases com efeito de estufa (GEE) da The Navigator Company.

A SBTi elogiou as “metas ambiciosas” e sublinhou o contributo da Navigator para alcançar os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris de não ultrapassar o aumento de temperatura de 1,5°C.

Navigator produçao de papel

A Navigator compromete-se a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (âmbitos 1 e 2, referentes às emissões libertadas para a atmosfera como resultado direto das suas operações, bem como das emissões indiretas provenientes da energia elétrica adquirida para uso da Empresa) em 63% até 2035, face a 2020. A empresa está igualmente empenhada em diminuir as emissões de âmbito 3 (que ocorrem na cadeia de valor) em 37,5%.

As metas foram consideradas pela SBTi como um “elemento-chave” para uma trajetória de descarbonização net-zero. A Navigator tornou-se a primeira empresa portuguesa, e uma das primeiras a nível mundial, a definir o compromisso de antecipar em 15 anos a neutralidade carbónica dos seus complexos industriais, um objetivo para o qual alocou um investimento de mais de 200 M€, parte dos quais já executado com a construção de uma Caldeira a Biomassa na Figueira da Foz e outra parte candidatado à componente da Descarbonização na Indústria do PRR – Plano de Recuperação e Resiliência, que permitirá atingir no final de 2026 as metas propostas inicialmente no Roteiro de Descarbonização para final de 2029.

Criada em 2015, a Science Based Targets initiative é uma organização global, que integra o CDP (Disclosure Insight Action), a United Nations Global Compact (UNGC), o World Resources Institute (WRI) e o World Wide Fund for Nature (WWF), com o objetivo de mobilizar o setor privado a assumir um papel de liderança no âmbito das alterações climáticas. Para cumprir este desígnio, desenvolveu abordagens de cálculo de metas de redução de GEE com base em dados científicos, designadas como “Science Based Targets”.