fbpx

Existe um consenso sobre a necessidade de uma nova Estratégia Florestal para promover uma bioeconomia circular europeia e a sustentabilidade das florestas europeias para atingir o objetivo de neutralidade climática para 2050. No entanto, a Cepi, associação europeia que representa a indústria papeleira, não vê a coerência entre as diferentes políticas que abordam e impactam as florestas na estratégia proposta.

"A estratégia centra-se muito na função do sumidouro das florestas e simplesmente perde o contributo holístico que os produtos à base de madeira podem trazer para uma economia mais verde e circular: manter os fósseis no solo! As florestas europeias e o sector florestal fornecem soluções integradas para o desafio climático global em grande escala. Juntamente com o efeito de substituição do produto, o efeito climático global positivo é estimado em 20% de todas as emissões fósseis na União Europeia", comentou Jori Ringman, diretor-geral da Cepi. "E há muito potencial que permanece inexplorado com a proposta de Estratégia Florestal."

Além disso, alguns sectores que dependem dos fósseis passarão a ter uma alocação gratuita, uma medida de fronteira e um sumidouro nas florestas com os quais estes sectores nada têm a ver. "A bioeconomia não terá condições equitativas para competir com esses sectores fósseis", conclui Ringman.

Florestas Alice Machado

A Cepi apoia a iniciativa de plantar mais três mil milhões de árvores, mas refere que proteger as nossas florestas com um exercício de plantação de árvores a curto prazo ou convertê-las em áreas de restauração da natureza não será suficiente para atingir os nossos objetivos climáticos.

"A indústria do papel europeu está pronta para ajudar a tornar a iniciativa de três mil milhões de árvores um sucesso para o crescimento sustentável a longo prazo das florestas. Acreditamos que esta é a política certa, as florestas precisam de ser cultivadas mais, em vez de o seu uso limitado", diz Ringman.

Em vez disso, a Estratégia proposta centra o foco na abordagem da evolução causada por fatores externos e corre o risco de minar a contribuição do sector florestal e florestal no seu conjunto ao reservar árvores apenas como sumidouros, perdem-se todos os benefícios da bioeconomia que substitui materiais fósseis e combustíveis e ao reservar florestas para fins de conservação e prescrever aos proprietários florestais práticas de gestão específicas está a subestimar a diversidade de práticas já existentes e necessárias no âmbito de uma gestão florestal sustentável em todo o continente.

A Cepi está satisfeita com o reconhecimento do uso em cascata da madeira. O princípio, diz, está a funcionar bem no sector florestal quando não há subsídios. A Cepi também aponta para o perigo de os geradores de energia de baixa eficiência se deslocarem extensivamente para utilizar a pasta de madeira, uma vez que certos tipos de biomassa serão restringidos para utilização de bioenergia pela legislação proposta. A distorção do mercado entre a utilização de energia e as utilizações de matérias-primas deve ser cuidadosamente seguida, diz a associação.

Alerta ainda que a reinterpretação do princípio de dar prioridade à produção de determinados produtos em relação a outros não está em conformidade com a orientação da Comissão Europeia a partir de 2018, o que poderia dificultar o potencial de bioeconomia da UE, uma vez que os investimentos em florestas e investimentos em bioeconomia serão perdidos.

Por último, a estratégia poderia ser uma oportunidade para afinar a abordagem baseada no risco, demonstrando que a madeira provém de florestas geridas de forma sustentável, independentemente do local onde é utilizada, em estreita cooperação com os Estados-Membros.

A nova Estratégia Florestal

A Comissão Europeia aprovou hoje a nova Estratégia Florestal da UE para 2030, que se baseia na Estratégia da UE para a Biodiversidade para 2030. A estratégia contribui para o pacote de medidas proposto para alcançar reduções de emissões de gases com efeito de estufa de pelo menos 55% até 2030 e neutralidade climática em 2050 na UE. Ajuda igualmente a UE a cumprir o seu compromisso de reforçar a remoção de carbono por sumidouros naturais, de acordo com a Lei do Clima.

A estratégia é acompanhada por um Roteiro para a plantação de três mil milhões de árvores adicionais em toda a Europa até 2030, no pleno respeito pelos princípios ecológicos – a árvore certa no lugar certo para o efeito certo.

O vice-presidente executivo para o Pacto Ecológico Frans Timmermans, afirmou:  "As florestas fornecem um lar para a maior parte da biodiversidade que encontramos na Terra. Para que a nossa água esteja limpa, e os nossos solos sejam ricos, precisamos de florestas saudáveis. As florestas da Europa estão em risco. É por isso que trabalharemos para os proteger e restaurar, melhorar a gestão florestal e apoiar os silvicultores e os silvicultores. No final, somos todos parte da natureza. O que fazemos para combater a crise climática e a biodiversidade, fazemos pela nossa própria saúde e futuro."

A Estratégia Florestal estabelece uma visão e ações concretas para aumentar a quantidade e a qualidade das florestas na UE e reforçar a sua proteção, restauro e resiliência. As ações propostas aumentarão o sequestro de carbono através de sumidouros e stocks reforçados, contribuindo para a mitigação das alterações climáticas.

O Comissário para a Agricultura, Janusz Wojciechowski, afirmou: "As florestas são os pulmões da nossa terra: são vitais para o nosso clima, biodiversidade, solo e qualidade do ar. As florestas são também os pulmões da nossa sociedade e da nossa economia: asseguram meios de subsistência nas zonas rurais, fornecem produtos essenciais aos nossos cidadãos e têm um profundo valor social através da sua natureza.

A nova Estratégia Florestal reconhece esta multifuncionalidade e mostra como a ambição ambiental pode andar de mãos dadas com a prosperidade económica. Através desta estratégia, e com o apoio da nova política agrícola comum, as nossas florestas e os nossos silvicultores darão vida a uma Europa sustentável, próspera e neutra em termos climáticos."

A Estratégia compromete-se a proteger as florestas primárias e antigas, a restaurar as florestas degradadas e a assegurar a gestão de forma sustentável para preservar os serviços vitais do ecossistema que as florestas prestam e de que a sociedade depende.

A Estratégia promove as práticas de gestão florestal mais amigas do clima e da biodiversidade, salienta a necessidade de manter a utilização da biomassa lenhosa dentro dos limites da sustentabilidade e incentiva a utilização eficiente dos recursos da madeira, em conformidade com o princípio da cascata.

Assegurar a multifuncionalidade das florestas

A Estratégia prevê o desenvolvimento de regimes de pagamento aos proprietários e gestores florestais para a prestação de serviços de ecossistemas alternativos, por exemplo, através da manutenção intacta de partes das suas florestas. A nova Política Agrícola Comum (PAC), entre outras, constituirá uma oportunidade para um apoio mais direcionado aos silvicultores e para o desenvolvimento sustentável das florestas.

A nova estrutura de governação das florestas criará um espaço mais inclusivo para os Estados-Membros, os proprietários e gestores florestais, a indústria, a academia e a sociedade civil discutirem o futuro das florestas na UE e ajudarem a manter os ativos para as gerações vindouras.

Por último, a Estratégia Florestal anuncia uma proposta jurídica para reforçar o controlo florestal, o reporte e a recolha de dados na UE. A recolha harmonizada de dados da UE, combinada com o planeamento estratégico a nível dos Estados-Membros, proporcionará uma visão abrangente do Estado, da evolução e dos desenvolvimentos futuros previstos das florestas na UE. Isto é fundamental, diz a Comissão Europeia, para garantir que as florestas possam cumprir as suas múltiplas funções para o clima, a biodiversidade e a economia.

A Comissão Europeia refere que as florestas são um aliado essencial na luta contra as alterações climáticas e a perda de biodiversidade. Funcionam como sumidouros de carbono e ajudam a reduzir os impactos das alterações climáticas, por exemplo, arrefecendo as cidades, protegendo de inundações pesadas e reduzindo o impacto da seca.