fbpx

As empresas Bi-silque, Cordex, Polipop e Valmet podem continuar a laborar, segundo estabeleceu um novo despacho, publicado em Diário da República, relacionado com o cerco sanitário em Ovar.

A Bi-silque fabrica produtos de comunicação visual, a Cordex opera no setor têxtil e produz elementos necessários para embalagens, a Polipop concebe espumas técnicas e a Valmet desenvolve tecnologias para a indústria de papel, cartão, tissue e energia.

Produtos da Bi-SilqueProdutos da Bi-Silque

A exceção determinada pelo Despacho N.º 4235-A/2020 reconhece que as empresas têm “importância no funcionamento da vida coletiva”, por fabricarem “equipamentos, componentes ou produtos intermédios utilizados no processo de produção de bens ou equipamentos das empresas cujo funcionamento é permitido”.

O despacho, assinado pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Economia, Pedro Siza Vieira, refere que a interrupção da atividade dessas empresas pode ter impacto forte no “funcionamento da vida comum”.

A 17 de março, o Governo declarou o estado de emergência no concelho de Ovar, implementando um cerco sanitário com controlo de fronteiras, e ordenou a suspensão de toda a atividade não relacionada com bens de primeira necessidade.

Recorde aqui a reportagem realizada com a Bi-Silque.