fbpx

O mercado de materiais de impressão 3D deverá atingir os 29,5 mil milhões de dólares (28.5 mil milhões de euros) até 2033, diz a IDTechEx. Se antes o mercado era dominado pelos fabricantes de impressoras, isso hoje já não acontece.

Os fabricantes de impressoras, que utilizam materiais proprietários nas suas impressoras, foram a principal fonte de materiais de impressão 3D para os utilizadores finais. No entanto, à medida que os utilizadores finais procuravam mais materiais de alto desempenho e diversos materiais para utilização em aplicações como aeroespacial, bens de consumo e cuidados de saúde, os materiais de marca começaram a perder a preferência há cerca de 5-10 anos. Isto criou espaço para os fornecedores alternativos de materiais de impressão 3D começarem a prosperar.

covestro materiais

Uma das fontes recentes mais importantes para os materiais de fabrico aditivo eram as empresas de produção de químicos. Apesar de terem sempre fornecido matérias-primas que foram depois formuladas em materiais de impressão 3D, estas empresas químicas fornecem agora, diretamente, materiais acabados ao mercado de fabrico aditivo.

Multinacionais como a BASF, A Evonik, a Mitsubishi Chemical e a Covestro estabeleceram as suas próprias divisões de produção de aditivos, destacando a indústria de impressão 3D como uma importante área de crescimento futuro. Os últimos cinco anos demonstram uma clara mudança na forma como os materiais de impressão 3D atingem os utilizadores finais.

O anúncio, a 8 de agosto de 2022, de que a Stratasys tinha adquirido a Covestro Additive Manufacturing marca uma viragem. Surge menos de dois anos após a aquisição pela Covestro da DSM Resins & Functional Materials, que viu as divisões de fabrico aditivo da DSM e da Covestro fundirem-se sob a marca Covestro. Também surge menos de um ano depois de a Stratasys ter anunciado que vai suportar materiais alternativos com a sua Licença de Material Aberto, onde tinha disponibilizado os materiais da Covestro aos utilizadores da impressora Stratasys.

"Os materiais inovadores são o combustível do fabrico aditivo e traduzem-se diretamente na capacidade de criar novos casos de utilização para impressão 3D, particularmente na produção de peças de uso final como alinhadores dentários e componentes automóveis", afirmou o CEO da Stratasys, Yoav Zeif.  "A aquisição do conceituado negócio de Fabrico Aditivo da Covestro posiciona-nos para aumentar ainda mais a adoção das nossas mais recentes tecnologias. Teremos agora a capacidade de acelerar a evolução em materiais de impressão 3D e avançar com a nossa estratégia de fornecer o melhor e mais completo portfólio de polímeros de impressão 3D da indústria."

Para a Stratasys, a aquisição demonstra a sua contínua ênfase nos materiais, que se tornaram uma parte importante do seu negócio nos últimos anos. A aquisição poderá parecer uma tentativa de recuperar as receitas associadas ao fornecimento de materiais anteriormente produzidos internamente. A Stratasys possui agora um dos maiores portefólios de materiais polímeros de impressão 3D da indústria, abrangendo filamentos, pós e resinas.

A Covestro comentou que alienou o negócio de fabrico aditivo para se concentrar nas suas "indústrias centrais", depois de identificar o fabrico de aditivos como um "empreendimento de inovação" já no final de 2020.

O que é que isso significa para a paisagem global de materiais de impressão 3D? Com numerosas empresas como a Arkema, BASF, Evonik, Huntsman, Solvay, Victrex e Mitsubishi Chemical a expandir a sua atuação no fabrico aditivo através de investimentos estratégicos e parcerias, parece improvável que a aquisição signifique um êxodo em massa de empresas químicas. No entanto, dadas as condições de mercado desafiantes previstas, outros grandes fornecedores de materiais podem vir a focar-se nos negócios centrais e não em indústrias de fase inicial, relativamente intensivas em I&D, como a produção de aditivos.

O novo relatório da IDTechEx sobre o mercado de materiais de impressão 3D (2022-2032) prevê as e procura para o mercado de materiais de fabrico aditivo, ao mesmo tempo que segmenta o mercado em 75 linhas de previsão diferentes em quatro grandes categorias de materiais.