fbpx

Investigadores de Singapura desenvolveram um método de impressão de legumes frescos, para obter alimentos mais saborosos e nutritivos para pacientes com dificuldades de deglutição.

Com a colaboração da Universidade Tecnológica de Nanyang, Singapura (NTU Singapura), da Universidade de Tecnologia e Design de Singapura (SUTD) e do Hospital Khoo Teck Puat (KTPH) foram criadas "tintas alimentares" a partir de vegetais frescos e congelados, que preservam melhor a sua nutrição e sabor do que os métodos existentes.

As tintas alimentares são geralmente feitas a partir de alimentos em puré em forma líquida ou semissólida, depois impressas em 3D por extrusão a partir de um bocal, e montadas, camada a camada.

Os alimentos em puré são geralmente servidos a pacientes que sofrem de dificuldades de deglutição conhecidas como disfagia. Para apresentar os alimentos de uma forma mais visualmente apetecível, os profissionais de saúde usaram moldes de silicone para moldar os alimentos, levando a uma maior exigência de trabalho, tempo e armazenamento.

Embora a impressão de alimentos 3D signifique que os alimentos podem ser facilmente produzidos numa forma e textura desejadas, num curto espaço de tempo, os alimentos desidratados e os pós congelados utilizados como tintas alimentares geralmente contêm uma alta percentagem de aditivos alimentares, tais como hidrocolóides (HCs), para estabilizar a tinta e permitir um processo de impressão mais suave. A alta concentração de hidrocolóides geralmente altera o sabor, textura e aroma dos alimentos impressos, tornando-o pouco apetitosos para pacientes com disfagia. Isto pode levar à redução do consumo alimentar e da desnutrição entre os pacientes.

Yi Zhang, o investigador principal da equipa da NTU disse: "O nosso método de impressão 3D de vegetais frescos pode ser facilmente usado em hospitais, lares de idosos, centros de dia para a população envelhecida com disfagia e outras perturbações de deglutição. A nossa investigação é também mais um passo em frente na gastronomia digital, onde podemos atender a requisitos específicos prescritos pelos nutricionistas, como personalização nutricional e apelo visual."

 food print inks

Chua Chee Kai, autor correspondente e diretor de desenvolvimento de produtos de engenharia da SUTD, acrescentou: "A próxima fronteira do fabrico de aditivos é a impressão de alimentos 3D. À medida que o panorama da impressão de alimentos 3D está a evoluir cada vez mais, estamos entusiasmados por continuar a empurrar os limites desta indústria para encontrar soluções inovadoras para questões globais como a segurança alimentar e a sustentabilidade."

 Para superar este desafio, a equipa de investigação explorou várias combinações de legumes frescos e congelados para tornar as tintas alimentares estáveis.

Não só conseguiram preservar melhor a nutrição dos alimentos impressos, como também os tornaram mais agradáveis. Este novo método de fazer tintas alimentares deve levar a um aumento do consumo de refeições por parte dos pacientes, contribuindo positivamente para a sua saúde física e estado mental. 

Além disso, a equipa descobriu que os vegetais poderiam ser classificados em três categorias, cada uma exigindo um tratamento hidrocoloído diferente para se tornar imprimível. Por exemplo, a ervilha de jardim, a cenoura e o bok choy foram escolhidos como representantes em cada categoria, não requerendo HCs, um tipo de HC e dois tipos de HCs, respetivamente.