fbpx

Apesar de os eventos atuais serem desafiantes, a Acimga mostra-se pronta para responder e evoluir. Após o Decreto de 22 de abril, que permite conferências e eventos ao vivo a partir de 1 de julho, a associação decidiu mudar o seu evento inicialmente previsto para 10 a 11 de junho.

A Acimga revelou as datas oficiais da Future Factory: o evento será realizado nos dias 15 e 16 de setembro ao vivo para o Teatro de Milão, como um evento de networking físico e encontro combinado com a possibilidade de acompanhar o evento em streaming.

Em linha com a mudança de comunicação que temos vindo a assistir e que está no cerne do conceito de Future Factory, adiar a edição de 2021 para setembro visa expandir o público, mudando o alvo da cadeia de fornecimento, referência histórica do evento, para uma comunidade muito mais vasta.  Com cada vez mais consumidores a pedirem às indústrias e às empresas que sejam social e ambientalmente responsáveis, torna-se essencial desenvolver uma comunicação baseada na criação de ações concretas e tangíveis, a começar pelos valores fundamentais partilhados. 

Future factory in

Ações que devem necessariamente falar para todos os intervenientes na cadeia de comunicação e que, para a Acimga, se traduzem em envolver o mundo do marketing e da comunicação, tanto a nível nacional como a nível europeu e global. Graças aos parceiros e patrocinadores do evento, a Future Factory 2021 torna-se também a oportunidade de apresentar uma visão abrangente, capaz de alinhar a comunicação e estratégias, deslocando a principal atenção da cadeia de abastecimento para toda a comunidade que gravita à sua volta. 

O programa rico apresentado durante a pré-estreia de 14 de abril permanece inalterado. Organizado por Matteo Bordone, a Future Factory verá Alec Ross, ilustre Professor Convidado na Bolonha Business School e conselheiro sénior em inovação ao Secretário de Estado durante a administração Obama, vai analisar a dinâmica em mudança no contexto socioeconómico; Ivana Pais, Professora Associada de Sociologia Económica na Università Cattolica del Sacro Cuore, juntamente com David Stark e Arthur Lehman, Professor de Sociologia na Universidade de Columbia, vão aprofundar os modelos da plataforma económica; Paola Mariani, Professora Associada de Direito Internacional na Università Bocconi, em Milão, analisa questões económicas em estreita relação ao direito internacional; Bertrand Badré, CEO e fundador da Blue como uma Orange Sustainable Capital, refletirá sobre o futuro da organização empresarial. Por último, outras contribuições fornecerão novos pontos de vista sobre a indústria, analisando futuras orientações para os próximos anos.

 "Mais uma vez a Future Factory revela-se resiliente e com uma grande visão do futuro", diz Andrea Briganti, Diretor Geral da Acimga. Diz, “A edição de 2020 da “Print4All Conference - Future Factory – Printing the future, now”, em streaming marcou um ponto de viragem no panorama dos eventos da cadeia de abastecimento e foi recompensado com um grande sucesso e audiência, atingindo quase 1400 participantes, um terço dos quais internacionais. A situação atual não nos encontrará despreparados e, mesmo em 2021, o evento reinventa-se e evolui, com o objetivo de criar conteúdo e agregar valores tendo em conta a Print4All, a nossa feira de 3 a 6 de maio de 2022."

A Future Factory é organizada pela Acimga (Associação Italiana de Fabricantes de Máquinas para as Indústrias Gráficas, Conversoras e de Papel) com o apoio da ITA - Agência Italiana do Comércio, a agência governamental que apoia o desenvolvimento de negócios de empresas italianas no exterior e promove a atração de investimento estrangeiro em Itália. A Future Factory é uma nova oportunidade de diálogo para todo o setor e é o principal evento no roteiro para a feira Print4All, agendada para 3 e 6 de maio de 2022.  

A Acimga é a associação dentro da Confindustria que representa todas as tecnologias de impressão, embalagem e conversão, unindo 82 empresas para um setor industrial no valor de cerca de 3 mil milhões, em volume de negócios, 60% das quais provenientes das exportações. A Itália está no top 3 dos fabricantes das máquinas a nível global (juntamente com a Alemanha e a China) com os seus pontos fortes a serem tecnologias mecânicas, aliadas às mais recentes inovações eletrónicas.