fbpx

“As mudanças do modelo de trabalho em tempos da Covid-19: as pessoas e os espaços” é o título de um estudo que revela que a regulação do teletrabalho e a redefinição e reorganização dos espaços físicos, em conjunto com o aumento das medidas de segurança e higiene, são as principais exigências de colaboradores e gestores em tempos da Covid-19.

No trabalho, fora de casa, nos transportes ou no carro, em jantares ou no fim-de-semana: a geração millennial sofre de "workaholism", ou a chamada dependência do trabalho. De acordo com uma pesquisa publicada ainda em 2019 na revista americana Forbes, esta situação está a afetar 66% dos Millennials - uma situação que muito provavelmente se agravou devido à COVID-19, refere a Adecco.

Enfrentemos a realidade: a indústria – e o mundo – têm estado numa briga com a pandemia Covid-19 e penso que levará algum tempo até que tudo regresse ao normal e as coisas voltem a ser como eram, e não apenas dentro da nossa indústria, mas também em muitas outras.

Um estudo, comissionado pela Xerox, revela que 82% dos trabalhadores deverão voltar ao escritório num prazo de 12 a 18 meses. O relatório “Future of Work” revela ainda que34% dos decisores de TI estão a conceber projetos para acelerar a transformação digital das organizações.

A agência Do It On, em apoio à Worldcom Group, divulgou os resultados de um estudo de confiança efetuado junto de 54 000 executivos (CEOs e CMOs) em todo o mundo, recorrendo a Inteligência Artificial. Os resultados mostram que os níveis decresceram nos últimos seis meses e que os executivos portugueses atingiram o volume mais reduzido a nível mundial.