Log in

Embalagem de azeite agora em spray

OS SPRAYDepois da inovação da tampa pop-up, a Oliveira da Serra volta a inovar no packaging do azeite. Desta vez, a empresa quer facilitar a forma como se tempera e surge com o Oliveira da Serra Q.B., um azeite servido numa embalagem que permite servir em spray, gota a gota ou em fio.

O novo spray de Oliveira da Serra é um azeite virgem extra, criado a partir de azeitonas maduras seleccionadas. De acordo com Isabel Roseiro, Strategic Marketing Manager de Oliveira da Serra, “Desde sempre que procuramos soluções que facilitem o dia-a-dia dos portugueses e foi por acreditarmos nas novas ideias que lançámos o spray Oliveira da Serra Q.B., que veio oferecer aos consumidores uma forma prática e divertida de usar azeite quer à mesa, como enquanto cozinhamos. E para levar a magia do azeite mais longe, incorporámos um doseador que permite obter fio, spray ou gota, diversificando as suas utilizações culinárias.”

O Oliveira da Serra Q.B tem um QR Code na embalagem que leva o consumidor a descobrir as receitas 15q.b., feitas pelo chef Vitor Sobral.

Grandes empresas colaboram para desenvolver bioplástico

bfaOito grandes marcas vão aliar-se ao World Wildlife Fund (WWF) para formar a BFA, Bioplastic Feedstock Alliance (BFA), para apoiar o desenvolvimento responsável de plásticos feitos a partir de plantas, para ajudar a construir um future mais responsável para a indústria dos bioplásticos. Entre as empresas fundadoras estão a The Coca-Cola Company, Danone, Ford Motor Company, H.J. Heinz Company, Nestle, Nike, Inc., P&G e Unilever.

O foco principal da BFA será orientar a seleção responsável e a colheita de matérias-primas, tais como cana-de-açúcar, milho, junco e gramíneas, usados para fazer plásticos a partir de materiais agrícolas. O desenvolvimento destes materiais renováveis tem crescido tal como a oportunidade de abordar os seus impactos potenciais sobre o uso da terra, segurança alimentar e biodiversidade. A BFA pretende reunir os principais especialistas da indústria e da sociedade civil para desenvolver e apoiar a ciência informada, a colaboração, educação e inovação para ajudar a orientar a avaliação e o desenvolvimento sustentável de matérias-primas para bioplástico.

Os consumidores estão a procurar produtos mais sustentáveis, incluindo aqueles feitos de plástico à base de plantas. Com a crescente procura por alimentos e fibras, nas próximas décadas, o abastecimento responsável desses materiais é a chave para permitir um crescimento sustentável.

Mais de seis milhões de toneladas recicladas

ReduceReuseRecycleA Sociedade Ponto Verde assinala hoje 17 anos e, durante o seu período de actividade, enviou para reciclagem perto de 6 milhões de toneladas de resíduos de embalagens. Tal é equivalente ao peso de três pontes “Vasco da Gama”. As empresas aderentes ao sistema ponto verde, e que têm a obrigação de reciclar os seus resíduos de embalagens, financiaram, através da Sociedade Ponto Verde, a recolha municipal de resíduos em mais de 600 milhões de euros.

«Muito se evoluiu ao nível da reciclagem de resíduos de embalagens desde a criação da SPV, em 1996. Fruto do trabalho e do investimento realizado, actualmente mais de 650 mil toneladas de resíduos de embalagens são enviadas por ano para reciclagem, 99% da população tem acesso à recolha selectiva e 69% da população já separa os seus resíduos de embalagens», sublinha Luís Veiga Martins, director-geral da Sociedade Ponto Verde.

As empresas aderentes/clientes da SPV pagaram também à indústria de reciclagem para garantir a reciclagem de alguns materiais de embalagens (nomeadamente embalagens de cartão para alimentos líquidos, poliestireno, plásticos mistos e madeira) em mais de 14 milhões de euros, a educação dos consumidores em 46 milhões de euros, projectos de investigação e desenvolvimento em dois milhões de euros, e acções de responsabilidade social em 1 milhão de euros.

«Acreditamos que nos próximos anos a taxa de reciclagem irá continuar a aumentar, através do contributo dos consumidores e do empenho de todos os parceiros do SIGRE. Portugal tem condições para reciclar mais e dar resposta às metas ambiciosas definidas no PERSU, tendo sempre presente a necessidade de garantir a sustentabilidade financeira do SIGRE. A partilha de infra-estruturas pelos Sistemas será um dos muitos contributos para uma maior eficiência, economias de escala e aproveitamento dos avultados investimentos que foram realizados no sector nos últimos anos», acrescenta Luís Veiga Martins.


Como funciona o Sistema Ponto Verde?

- As empresas embaladoras e importadoras que colocam as suas embalagens no mercado são obrigadas por lei a assegurar o destino final dos resíduos em que as suas embalagens se transformam após o consumo, através da transferência dessa responsabilidade para a Sociedade Ponto Verde ou de um sistema próprio devidamente licenciado.

- No circuito de distribuição não podem ser comercializados produtos cujo destino dos resíduos em que as suas embalagens se transformam não esteja devidamente acautelado, através da transferência de responsabilidade para o Sistema Ponto Verde ou através de um sistema próprio;

- Nas suas casas, os consumidores finais separam as embalagens usadas por tipo de material e depositam-nas voluntariamente nos ecopontos ou estas são recolhidas porta-a-porta;

- As Câmaras Municipais e outras entidades em seu nome efectuam a recolha das embalagens usadas e enviam-nas para Sistemas Municipais onde são devidamente triadas por tipo de material e segundo especificações técnicas previamente definidas;

- Posteriormente, estes Sistemas Municipais disponibilizam esses resíduos devidamente triados à Sociedade Ponto Verde que, por sua vez, os encaminha para reciclagem;

- A indústria transformará estes resíduos em novos materiais.

Unilever escolhe fornecedor para embalagens de Persil

persil gcsA Global Closure Systems, do Reino Unido, foi seleccionada como a única fornecedora para dois elementos essencias das novas embalagens do detergente Persil.


A empresa vai fornecer um dispensador de detergente, com três peças e duas cores, para fechar as embalagens, assim como um roll-on de retirar nódoas, que irá ser colocado num orifício da embalagem. As novas embalagens foram lançadas no Reino Unido e na Irlanda e estão a ser fabricadas na fábrica de Massmould, da Global Closure Systems.