Log in

Ateliers de reciclagem no Pavilhão do Conhecimento

thumb TetraPak Carnaval038Quem se deslocar ao Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, no próximo dia 23 de Novembro, sábado, poderá explorar novos usos dos resíduos urbanos em experiências interativas, técnicas de compostagem e reciclagem.

Entre as 11h00 e as 19h00, a Tetra Pak vai dinamizar ateliers de reciclagem, onde os visitantes são convidados a dar nova vida às embalagens habitualmente usadas para o consumo de leite e de sumos, transformando-as em novos objetos úteis, como porta-moedas ou pregadeiras que podem depois levar para casa. Poderão, ainda, visitar uma mostra de produtos obtidos através da reutilização e da reciclagem das embalagens de cartão para alimentos líquidos.

Esta iniciativa está integrada no programa de divulgação dos resultados do projeto europeu VOICES, a primeira consulta pública sobre ciência, tecnologia e inovação, realizada à escala europeia, que decorrerá no dia 23 de novembro, no Pavilhão do Conhecimento. O projeto consultou 1000 cidadãos, em 557 municípios de 27 países, entre os quais Portugal, no primeiro grande esforço europeu para centrar a investigação científica nas prioridades das pessoas.

O estudo realizado em Portugal revela, entre outras conclusões, que a generalidade dos inquiridos separa os resíduos em casa e que tem acesso a pontos de recolha. A maior parte dos inquiridos sabe o que deve fazer em termos de separação mas tem um conhecimento limitado do que acontece aos resíduos após a separação seletiva. Consulte aqui o relatório de estudo para Portugal.

Os resultados gerais do projecto VOICES serão exibidos numa exposição e o público poderá dialogar com os participantes nas consultas, enquanto artistas mostram a reutilização artística de resíduos urbanos. Além das conferências com vários especialistas, os participantes poderão ainda aprender a reciclar lixo tecnológico e assistir a um cooking show com o chef Frederico Guerreiro subordinado ao tema “Nada vai fora, tudo se aproveita”. O projecto VOICES é coordenado pela Rede Europeia de Centros e Museus de Ciência (Ecsite), e financiado pela Comissão Europeia. Em Portugal, o projeto é coordenado pela Ciência Viva.