Logo

Ricoh Pro C7200X Graphic Arts faz estreia em Lisboa

Ricoh Pro C7200X
 
Foi uma das últimas fabricantes a entrar no segmento de Production Printing na Europa. Agora, numa fase em que vai fazer a integração entre as unidades de Portugal e Espanha, a Ricoh escolheu Lisboa para dar o arranque a um roadshow ibérico, onde fez a primeira apresentação pública da impressora digital Ricoh Pro C7200X Graphic Arts. O roadshow decorre até ao dia 11 de abril no Centro de Congressos de Lisboa e é de acesso livre.

Com modelos diferentes, com velocidades de 95 e 85 ppm, em configurações de quatro e cinco cores, a Pro C7200X permite a produção no formato em folhas duplas até 700 mm e 260 g/m2 e também em banner até aos 1260 mm. A resolução atinge os 2400 x 4800 dpi.

A máquina ganha versatilidade na produção gráfica pela possibilidade de intercalar a primeira e a quinta unidade de cor. Com isso consegue, por exemplo, fazer a impressão do branco antes da quadricromia ou apenas fazê-la no final. A quinta cor permite ainda a utilização de toner transparente para efeitos de verniz localizado ou a produção com cores especiais como o amarelo fluorescente e o rosa fluorescente.
 
Carlos Casado

Aliás, é esse mesmo rosa néon que pode ser utilizado no lugar do toner magenta, resultando na impressão de um laranja que “parece ter sido impresso em offset, e é o mais perfeito que se pode encontrar em máquinas de produção digital desta classe”, comenta Carlos Casado, Commercial & Industrial Printing, Business Development da Ricoh Portugal e Espanha.

Outra das novidades é o lançamento da cor Vermelho Invisível. Trata-se de um toner, de cor vermelha, cuja impressão apenas se pode visualizar com uma luz UV e que se destina a aplicações básicas de segurança.
 

O portefólio apresentado

Além da estreia da nova máquina, a Ricoh faz uma apresentação do portefólio de produtos para o mercado das artes gráficas. Neste inclui a Ri3000 que se destina à impressão de têxteis em materiais naturais, que utiliza tintas à base de água e que imprime em CMYK até 600 dpi. No CCL, os visitantes podem ainda ver a Pro C9100, a máquina de produção para os grandes volumes, com capacidade para lidar com os mais diversos suportes a alta velocidade. Destaque ainda para a Latex Pro L4100, a solução para a impressão em grandes formatos, com tintas ecológicas e a promessa de um baixo consumo de energia. As soluções de fluxo de trabalho comercializadas pela Ricoh e pela Heidelberg não foram esquecidas. A representar a Heidelberg, em Portugal, está a Grafopel, a dar visibilidade à parceria estabelecida entre a Ricoh e a fabricante alemã. Recordamos que as linhas digitais de produção que são fruto da parceria são comercializadas pela Heidelberg com a designação Versafire.
 

Um protocolo com a apigraf

Durante o evento da Ricoh foi assinado um acordo de colaboração com a Apigraf – Associação Portuguesa das Indústrias Gráficas e Transformadoras do Papel.
 
“Para nós, a apigraf é muito importante porque conhece e catalisa todas as necessidades do mercado. Para nós as associações são muito importantes. Nós temos conhecimento de necessidades pontuais, mas as associações recolhem mais informação. O simples diálogo e o poder falar das preocupações que as empresas têm permite-nos desenvolver produtos e serviços que ajudam ao desenvolvimento e implementação da tecnologia” ...Andreu López, Commercial & Industrial Printing Director da Ricoh Portugal e Espanha 
 
Pedro Santos, Andreu López e Lopes de Castro
 
O objetivo da parceria, por parte da Ricoh, é aumentar o negócio da impressão comercial e industrial em Portugal, segmento em que não apostou, até agora, por terras lusas.
 
“Para nós é uma questão de divulgação e conhecimento. Quando as marcas percebem que é através das associações que podem chegar ao mercado, quando se pode colocar as dúvidas que existem – quer do nosso lado como compradores quer do lado dos fornecedores – e se existir alguém a meio que possa facilitar esse diálogo, tudo  se torna mais fácil. A apigraf respresenta uma série de empresas de pequena dimensão. As maiores podem ir às feiras e fazer visitas a locais como Madrid ou a Barcelona. Para as mais pequenas é que é importante saber que a apigraf tem um parceiro que se chama Ricoh e pode ser através da associação que se fazem aproximações” Lopes de Castro, presidente da Apigraf
 
Pixelpower