Login

Forte procura impulsiona resultados da Europac em 35,8% no 3º trimestre

Resultados financeiros
 
No terceiro trimestre do ano, o grupo Europac registou um resultado líquido de 79,1 milhões de euros, uma subida de 35,8% face ao mesmo período de 2017. Tal deve-se à forte procura de papel, à estabilidade dos preços e a menores custos com as matérias-primas
 
Num contexto de aumento das vendas agregadas de 7,6% para os 943,6 milhões de euros, os EBITDA consolidado e recorrente aumentaram 27,0% e 50,9% face ao terceiro trimestre do ano anterior, ao alcançarem 150,2 e 157,0 milhões de euros, respetivamente.
 
O EBIT consolidado no período foi de 113,6 milhões de euros, um crescimento de 45,7% por comparação aos nove primeiros meses de 2017.
 
Estas circunstâncias, juntamente com o aumento dos preços de venda das embalagens em linha com as previsões do grupo, traduzem-se numa margem de EBITDA consolidado de 21,1%, o que representa um aumento de 2,6 pontos percentuais em relação aos primeiros nove meses do último exercício.
 
José Miguel Isidro, presidente da Europac, salienta que “os resultados da empresa entre janeiro e setembro respondem à subida dos preços de venda de papel num contexto de preços baixos da matéria-prima e ao esforço realizado pela Divisão Packaging para repercutir no mercado as subidas de preços da sua matéria-prima. Tanto os projetos de gestão executados nos últimos exercícios como o modelo de negócio integrado que define a Europac, permitem-nos otimizar os resultados num contexto de mercado favorável, como o que se viveu entre janeiro e setembro deste ano”. 

 

Receitas em alta no Papel e Packaging


Na Divisão Papel, as receitas cresceram 11% face ao terceiro trimestre do ano anterior como consequência da subida dos preços de venda em relação a 2017 e ao aumento do volume de produção de 7% para o papel kraftliner e de 1% para o papel reciclado.
 
Em concreto, entre 1 de janeiro e 30 de setembro, o preço de venda do papel kraftliner cresceu 43 euros por tonelada e 25 euros por tonelada no papel reciclado, enquanto a matéria-prima baixou em 40 euros por tonelada no mesmo período.
 
Na Divisão Packaging, as receitas cresceram 2% devido ao aumento dos preços de venda, em relação aos primeiros noves meses de 2017.